(19) 3251-2312 / 3325-1522  |    (19) 99837-4640  |    contato@singular.med.br  |  
 

dor pós cirúrgicaOs números relativos às dores crônicas pós-cirúrgicas são significativos. Dependendo do tipo de cirurgia, a incidência pode variar entre 5 a 85%. Entre 2 a 15% representam dores severas, impactando a qualidade de vida. Cirurgias como amputações, mastectomia e cirurgias para hérnia têm uma alta taxa de dores neuropáticas. Quanto às dores pós trauma, as mais comuns são lesão medular e lesão do plexo braquial. Apesar de muito comuns, tanto as dores pós cirúrgicas como as pós-traumáticas ainda são pouco reconhecidas e subdiagnosticadas, levando a tratamentos não adequados e aumento da incapacidade.

No CID-11, dor crônica é definida como uma dor que persiste por mais de 3 meses. No caso das dores pós-cirúrgicas e pós-traumáticas este critério gera alguns desafios, pois em muitos casos, dores crônicas podem iniciar muito antes deste período. Por exemplo, algumas cirurgias podem gerar quadros de dor neuropática desde o início e persistir dessa maneira durante todo o período pós-cirúrgico.

A nova classificação das dores crônicas pós-cirúrgicas e pós-traumáticas no CID-11 contempla diversos subgrupos. As pós-cirúrgicas são subdivididas entre dores crônicas:

  • Pós amputação
  • Pós cirurgia medular
  • Pós toracotomia
  • Pós cirurgia no seio
  • Pós herniotomia
  • Pós histerectomia
  • Pós artroplastia

Já as pós-traumáticas se subdividem entre as dores crônicas:

  • Pós lesão por queimadura
  • Pós lesão de nervo periférico
  • Pós lesão medular
  • Pós lesão cerebral
  • Pós lesão por chicote (whiplash)
  • Pós lesão musculoesquelética

Nos próximos posts, falaremos mais sobre cada uma dessas subdivisões. Até lá!