(19) 3251-2312 / 3325-1522  |    (19) 99837-4640  |    contato@singular.med.br  |  
 

dor na mãoSão diversas as possíveis causas de dores nas mãos, desde problemas reumatológicos até lesões nos nervos ou fraturas. Felizmente, a maior parte dessas condições podem ser tratadas, promovendo um significativo alívio dos sintomas.  A mão se divide em três áreas: falange, metacarpo e carpo. A dor pode se originar de qualquer uma das estruturas que a constituem, como ossos, músculos e articulações.

Antes de falarmos sobre os diagnósticos mais comuns relacionados a dores nas mãos, alertamos que para um tratamento adequado é fundamental que se realize uma avaliação médica detalhada. Se você tem sentido dores nas mãos mesmo em repouso, ou se apresenta sintomas sem uma causa definida, sugerimos que você agende uma consulta médica.

As causas mais comuns de dores nas mãos são:

1 -  Artrite

Trata-se de uma condição bastante comum, que causa dores nas mãos e inflamação em uma articulação. Podemos apontar dois tipos de artrite, ambos representando causas comuns de dores nas mãos:

Osteoartrite (artrose): é causada por uma inflamação que pode ocorrer em diversas áreas da mão, como a base do polegar, os ligamentos próximos às pontas dos dedos e os ligamentos do meio dos dedos. Osteoartrite é uma doença degenerativa das articulações, muito comum em idosos. Os dedos podem ficar rígidos, dolorosos, inchados e se inclinarem para os lados. A osteoartrite costuma afetar outras áreas do corpo, como joelhos e quadril. Sintomas leves podem ser manejados através de medidas simples, como exercícios físicos regulares. Casos mais severos podem necessitar de tratamento adicional, como medicação analgésica, fisioterapia e bloqueios anestésicos com corticoides.

Artrite Reumatoide: trata-se de uma doença autoimune, que costuma gerar uma dor latejante, pior de manhã e após atividades. Fatores de risco são tabagismo e fatores genéticos. As mulheres costumam ser mais afetadas, principalmente entre os 40 e 50 anos. Os tratamentos envolvem medicações, fisioterapia e, em alguns casos, fisioterapia.

2 - Problemas nos tendões:

Síndrome de DeQuervain: é causada por um inchaço e enrijecimento nos tendões que vão até o polegar. A dor acontece no pulso e ao longo do polegar. Os sintomas podem aparecer repentinamente ou aumentar gradualmente. Fazer figas, segurar algo ou girar o pulso costumam intensificar a dor. Mulheres que recentemente deram à luz tendem a apresentar mais esta condição, devido a alterações hormonais e à maneira com que carregam seus bebês. O tratamento pode envolver o uso de uma tala, analgésicos e bloqueios com corticoides. Caso os sintomas persistam, em casos mais severos a cirurgia pode ser uma opção.

Dedo em Gatilho: esta condição é causada por uma inflamação do tendão, impedindo que a extensão ou flexão do dedo afetado, que fica paralisado. As causas não são conhecidas e os sintomas costumam incluir dor, rigidez e estalidos. O tratamento pode incluir medicações e bloqueios com corticosteroides.

3 – Síndrome do Túnel do Carpo

Os principais sintomas são dor, dormência e formigamento na mão e nos dedos, que geralmente se intensificam à noite. Geralmente, afeta o polegar, o indicador e o dedo médio, até metade do anelar. A síndrome é causada pela compressão do nervo que controla as sensações e o movimento das mãos. Em alguns casos, os sintomas terminam espontaneamente. Se isto não ocorre, pode ser necessário o uso de talas ou bloqueios com corticosteroides. A cirurgia é recomendada apenas em casos extremos. Se quiser ler mais sobre esta condição, clique no link http://www.singular.med.br/midia/blog/239-sindrome-do-tunel-do-carpo.html

 

4 – Cistos ganglionares

Cistos macios e cheios de fluido podem se desenvolver na frente ou nas costas das mãos. Trata-se do tipo mais comum de tumor benigno nas mãos. Geralmente não são dolorosos, mas se estiverem próximos a um nervo podem provocar dor. Os sintomas podem ser dor no pulso, agravada com atividade, inchaço leve e localizado. O tratamento pode envolver medicação anti-inflamatória, aspiração, injeções de corticiosteroides ou cirurgia.