(19) 3251-2312 / 3325-1522  |    (19) 99837-4640  |    contato@singular.med.br  |  
 

dor pélvica crônicaA dor pélvica de uma maneira geral se refere às dores sentidas na região abaixo do umbigo e acima das pernas. Ela pode acometer tanto mulheres quanto homens, porém é bem mais comum nas mulheres. Há diversas causas possíveis para a dor pélvica. Ela pode estar relacionada a uma infecção na região, a alguma lesão músculo-esquelética ou um problema em órgãos internos não-reprodutivos, como intestino ou bexiga. Nas mulheres, a dor pélvica pode ser uma indicação de algum problema com os órgãos reprodutivos, como o útero, o ovário ou a própria vagina.

Podemos considerar a dor pélvica crônica como uma dor que dura mais do que 6 meses. A prevalência é alta: cerca de 3,8% das mulheres entre 15 a 75 anos. As características da dor variam muito de mulher para mulher. Para algumas, trata-se de uma dor moderada, que aparece e some de repente. Para outras, é uma dor severa e contínua, que prejudica o sono, a qualidade de vida e o trabalho.

Muitas vezes, é difícil precisar o que exatamente gerou a dor pélvica crônica. Em cerca de 20% dos casos, ela se relaciona a problemas do sistema reprodutivo, como endometriose, doença inflamatória pélvica, aderências, ou adenomiose, entre outros. Em cerca de 37% dos casos, a dor pélvica se refere a problemas no sistema gastrointestinal, como síndrome do intestino irritável e hérnias. Em 31%, está ligada a problemas no sistema urológico, como cistite intersticial ou síndrome uretral. Em cerca de 12% dos casos, o problema está no sistema músculo esquelético, como síndromes miofasciais, fibromialgia e síndrome do piriforme.

Tratamento:

A avaliação médica buscará compreender as possíveis causas da dor a partir de um detalhado exame clínico, da história do paciente e de exames de imagem que forem necessários. Dependendo de cada caso, poderá ser pedido ultrassom vaginal, ressonância magnética, tomografia ou outros exames possíveis.

Se houver uma doença específica causando a dor, como a endometriose, o tratamento envolverá medicações específicas para esta condição. No entanto, para melhorar os sintomas, nem sempre é necessário descobrir uma doença que esteja causando a dor. É possível abordar o problema com medicações voltadas a promover um alívio da dor, como anti-inflamatórios ou os remédios chamados de adjuvantes, como antidepressivos e anticonvulsivantes.

Além das medicações para alívio da dor, a Medicina Intervencionista da Dor conta com diferentes procedimentos para promover o alívio de dores pélvicas provenientes de diferentes regiões. Alguns recursos possíveis são os bloqueios anestésicos e a neuroestimulação medular, para casos mais complexos e refratários ao tratamento convencional.

Em muitos casos de dor crônica, a fisioterapia é um recurso fundamental, para trabalhar aspectos como a tensão muscular da região ou questões posturais. A acupuntura também é um recurso que muitas vezes traz diversos benefícios. Lidar com uma dor prolongada muitas vezes se torna um desafio, levando a pessoa a ter sua vida comprometida em muitos aspectos. Neste sentido, a psicologia é um outro recurso a ser utilizado para ajudar a paciente a enfrentar tais desafios de maneira mais efetiva.

Fontes:

Depoimentos

  • Mari

    Mari

    "Já tinha consultado inúmeros médicos sem resultado algum...o Singular fez toda a diferença no momento crítico pelo qual passei. Além dos profissionais competentes, o tratamento humanitário foi destaque durante o tratamento." Leia Mais
  • Marcelo

    Marcelo

    "23 anos de dor lombar crônica. No começo de tudo a dor era insuportável, 24 hs por dia; nessa época já não esperava mais nada, era como mais uma consulta, mas foi através do tratamento de bloqueios e fármacos específicos Leia Mais
  • Priscilla

    Priscilla

    "Confio plenamente em toda equipe que cuida de mim...estou evoluindo cada dia mais...minha vida não parou." Leia Mais
  • Lucinda

    Lucinda

    Acho que nunca me acostumei com a dor, e saber que era possível me livrar dela me fez chegar até aqui, um lugar tão Singular, que certamente simbolizará um novo jeito de caminhar, um novo destino com projetos e possibilidades. Leia Mais
  • Omar

    Omar

    DR CHARLES e DR FABRÍCIO dois Profissionais e dois seres humanos , sem palavras..... Leia Mais
  • Marcelo

    Marcelo

    No início de 2013 comecei a sentir dores constantes na região cérvico-toráxica. Não sabia as causas e muito menos o diagnóstico para aquele incômodo muscular que passou a ser diário. Com o passar do tempo a dor começou aumentar de intensidade e de duração. Leia Mais
  • Anderson

    Anderson

    É difícil mensurar minha satisfação atual, assim como era difícil suportar tanta dor e sofrimento pelo qual passei quando do início de meu tratamento junto à clínica singular, em especial pelo atendimento prestado pelo Dr. Charles. Leia Mais
  • Gláucia

    Gláucia

    Procurei o Dr. Fabrício em decorrência de um pós operatório frustrado. Cheguei a primeira consulta totalmente fatigada, abaixo do meu peso, muita olheira por  noites mal dormidas e com uma grande expectativa quanto a solução para o alívio das dores Leia Mais
  • Déa

    Déa

    Dr. André, não temos palavras para agradecer toda dedicação e carinho, que aliados à extrema competência fizeram com que nossa mãe e paciente Déa se sentisse segura e sem dor no decorrer de anos de tratamento, mesmo após inúmeras opiniões no sentido de que não haveria mais possibilidade de controle da dor. Leia Mais
  • Rodrigo

    Rodrigo

    Assim como o ano de 2016, o de 2017 para mim inicia-se com um enorme otimismo e as melhores expectativas possíveis! Todo esse otimismo está embasado no belíssimo papel que a Clínica SINGULAR desempenha em minha vida e na de Leia Mais
  • Rosalva

    Rosalva

    Quero agradecer à toda equipe da Clínica Singular, todos, sem exceção, atenciosos, sempre presentes e muito gentis.  Em especial ao fisioterapeuta Rodrigo Vasconcelos que me auxiliou com exercícios e após conversar com o Dr. Rafael Barreto Silva  do Instituto da Leia Mais
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
  • 11