charles lance2Em agosto de 2015, o periódico esportivo Lance! publicou um artigo escrito pelo Dr. Charles de Oliveira, sobre o uso de Plasma Rico em Plaquetas na cura de lesões de esportistas de alto rendimento. Confira o texto na íntegra:

 

Plasma Rico em Plaquetas ajuda a recuperar mais rápido e diminui dores

 

Dr. Charles Amaral de Oliveira

 

Para um aleta, de alto rendimento ou amador, a pior situação é uma lesão. E não é só por, daí, ter de ficar parado. As dores podem influenciar inclusive no humor e atrapalham no dia-a-dia de um esportista. Uma parte muito importante e que quase passa despercebida é o que a medicina pode fazer para acabar com essa dor e, assim, ajudar a acelerar o processo de recuperação.

 

Uma das áreas mais promissoras nos últimos anos é a medicina regenerativa. Pesquisadores estão investigando a capacidade do corpo humano para regenerar órgãos e tecidos, e com isso desenvolver técnicas que possam ajudar as pessoas a se recuperarem de lesões, e a terem, consequentemente, uma vida melhor.

 

Na Medicina da Dor, um procedimento com grande potencial na recuperação de pacientes é chamado de PRP, sigla usada para o termo “Plasma Rico em Plaquetas”. Antes de qualquer coisa, é importante esclarecermos: o Conselho Federal de Medicina ainda aponta que este é um procedimento experimental. Por outro lado, em vários países da Europa e nos Estados Unidos esta prática é bastante comum.

 

Diversos atletas de ponta já realizaram procedimentos de PRP. Alguns exemplos são Rafael Nadal, Tiger Woods e Kobe Bryant. O PRP tem a vantagem de ser relativamente simples, o que o torna uma boa alternativa a cirurgias nos casos mais complexos. Além disso, são vários os casos de atletas que conseguem retornar rapidamente à sua prática sem grandes prejuízos em suas performances.

 

O tenista Rafael Nadal, por exemplo, depois de sete meses fora das quadras em 2012 realizou o PRP e conseguiu voltar a jogar. Voltou e venceu três torneios alguns meses depois: o Aberto do Brasil, o ATP de Acapulco e o Masters 1.000 de Indian Wells, sendo que este último foi em quadra de piso sintético, que costumava lhe causar as piores dores.

 

Mas como funciona o PRP? É uma porção do plasma sanguíneo que contém altas taxas de plaquetas, células que são as principais responsáveis pelo processo de cicatrização do corpo humano, que formam coágulos, entre outras funções. No procedimento de PRP, uma porção de sangue é retirada do próprio paciente e colocada em uma centrífuga, para separar o plasma rico em plaquetas, aumentando em até sete vezes a quantidade de plaquetas contidas no sangue integral.

 

Após este procedimento inicial, o médico utiliza imagens de ultrassonografia para guiar a agulha até o local onde ele injetará o PRP. Após a aplicação, as plaquetas começam a acelerar o processo de recuperação da lesão. Dependendo da complexidade do caso, costuma-se indicar até três aplicações, com um intervalo de 15 dias entre cada uma delas.

 

Por ser uma estratégia não cirúrgica, o PRP tem sido considerado um excelente recurso para o tratamento de lesões esportivas, pois o tratamento usa os recursos do próprio corpo do paciente para ajudá-lo no processo de cura. A Medicina do Esporte e a Medicina da Dor podem ganhar muito com o aumento de estudos sobre este e outros procedimentos da Medicina Regenerativa. Os resultados são bastante promissores.

 

charles lance

  • Mari

    Mari

    "Já tinha consultado inúmeros médicos sem resultado algum...o Singular fez toda a diferença no momento crítico pelo qual passei. Além dos profissionais competentes, o tratamento humanitário foi destaque durante o tratamento." Lea Más
  • Marcelo

    Marcelo

    "23 anos de dor lombar crônica. No começo de tudo a dor era insuportável, 24 hs por dia; nessa época já não esperava mais nada, era como mais uma consulta, mas foi através do tratamento de bloqueios e fármacos específicos Lea Más
  • Priscilla

    Priscilla

    "Confio plenamente em toda equipe que cuida de mim...estou evoluindo cada dia mais...minha vida não parou." Lea Más
  • Lucinda

    Lucinda

    Acho que nunca me acostumei com a dor, e saber que era possível me livrar dela me fez chegar até aqui, um lugar tão Singular, que certamente simbolizará um novo jeito de caminhar, um novo destino com projetos e possibilidades. Lea Más
  • Omar

    Omar

    DR CHARLES e DR FABRÍCIO dois Profissionais e dois seres humanos , sem palavras..... Lea Más
  • Marcelo

    Marcelo

    No início de 2013 comecei a sentir dores constantes na região cérvico-toráxica. Não sabia as causas e muito menos o diagnóstico para aquele incômodo muscular que passou a ser diário. Com o passar do tempo a dor começou aumentar de intensidade e de duração. Lea Más
  • Anderson

    Anderson

    É difícil mensurar minha satisfação atual, assim como era difícil suportar tanta dor e sofrimento pelo qual passei quando do início de meu tratamento junto à clínica singular, em especial pelo atendimento prestado pelo Dr. Charles. Lea Más
  • Gláucia

    Gláucia

    Procurei o Dr. Fabrício em decorrência de um pós operatório frustrado. Cheguei a primeira consulta totalmente fatigada, abaixo do meu peso, muita olheira por  noites mal dormidas e com uma grande expectativa quanto a solução para o alívio das dores Lea Más
  • Rodrigo

    Rodrigo

    Assim como o ano de 2016, o de 2017 para mim inicia-se com um enorme otimismo e as melhores expectativas possíveis! Todo esse otimismo está embasado no belíssimo papel que a Clínica SINGULAR desempenha em minha vida e na de Lea Más
  • Rosalva

    Rosalva

    Quero agradecer à toda equipe da Clínica Singular, todos, sem exceção, atenciosos, sempre presentes e muito gentis.  Em especial ao fisioterapeuta Rodrigo Vasconcelos que me auxiliou com exercícios e após conversar com o Dr. Rafael Barreto Silva  do Instituto da Lea Más
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10